Justiça Eleitoral aprimora aplicativos mobile para as Eleições 2018

Gallery post with slider

Com mais de um ano de antecedência, a Justiça Eleitoral já trabalha para oferecer aos eleitores informações cada vez mais completas sobre os candidatos e a votação das eleições gerais de 2018.

Na manhã desta terça-feira (22), o Grupo de Trabalho JE Mobile realizou o primeiro encontro para debater o aprimoramento dos nove aplicativos que a Justiça Eleitoral disponibiliza de forma totalmente gratuita com foco no processo eleitoral.

O GT JE Mobile é formado por integrantes da área de Tecnologia da Informação do TSE e dos TREs, que desempenham uma função essencial no desenvolvimento dos aplicativos. De acordo com Jader Gonçalves, secretário de TI do TRE de Tocantins, a parceria entre os tribunais nasceu desde o início do desenvolvimento das ferramentas, “inclusive, muitas dessas soluções foram desenvolvidas pelos TREs e foram trazidos para o TSE, que abraçou todo o projeto e foi capitaneado com muito sucesso”, disse ele ao lembrar que há um grande esforço da Justiça Eleitoral de estar próximo ao eleitor e oferecer meios para que ele possa atuar como fiscal no acompanhamento das eleições até a apuração como um todo.

Nessa primeira reunião (dias 22 e 23 de agosto) em Brasília, estão participando sete TREs (Acre, mato Grosso, Paraíba, Rio Grande do Norte, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins). O próximo encontro está previsto para o início do próximo ano, com a participação dos demais estados.

De acordo com a coordenadora do grupo, a servidora do TSE Ianeiara Guedes, “o encontro servirá para discutir as lições aprendidas, as dificuldades encontradas e as sugestões que recebemos ao longo do tempo para já definir metas para 2018”.

As sugestões, segundo ela, chegaram por meio do Fale Conoscodo TSE e também pelas lojas de aplicativos, que apontaram serviços que sentiram falta para melhorar ainda mais as opções oferecidas.

Anterior Pesquisa entre jovens revela que poucos debatem política
Próxima CCJ aprova projeto para impedir que empresas aéreas cobrem preços abusivos